Facebook
13/03/2018 - 17h00m

11 MUNICÍPIOS ADERIRAM À CAMPANHA

V Campanha de Hanseníase, Verminoses e Tracoma busca beneficiar crianças e adolescentes no Bico

Redação

Com o objetivo de intensificar a busca ativa de casos de Hanseníase em escolares de áreas endêmicas, realizar o tratamento coletivo preventivo para Geo-Helmintíase e identificar os casos de Tracoma, o Governo Federal lançou a Campanha Nacional de Hanseníase. A campanha vem ocorrendo desde 2013 com periodicidade anual, tendo como público alvo os escolares de 5 a 14 anos. As atividades, que têm início em março, serão realizadas até o dia 30 de junho.

A previsão é de que ao todo sejam beneficiados mais de 8 milhões de alunos de 5 a 14 anos de idade, matriculados no ensino fundamental em cerca de 40 mil escolas públicas de todo o Brasil. No Bico do Papagaio 11 municípios aderiram à campanha sendo que 38 receberam recurso financeiro, por serem prioritários para realização das ações e 3 aderiram de forma voluntária.

Os municípios do Bico do Papagaio que aderiram à campanha são: Augustinópolis, Axixá do Tocantins, Araguatins, Carrasco Bonito, Esperantina, Maurilândia, Riachinho, São Miguel do Tocantins, São Sebastião do Tocantins, Sítio Novo do Tocantins e Tocantinópolis.

Este ano o slogan da campanha é “Hanseníase, Verminoses e Tracoma – em casa ou na escola, sempre é hora de prevenir e tratar”, a estratégia ocorrerá em 2,7 mil municípios brasileiros que aderiram à ação e realizarão a busca ativa para diagnóstico e tratamento de casos de hanseníase, tracoma e esquistossomose. Os alunos também receberão profilaxia contra as verminoses.

A assessora técnica da hanseníase no Tocantins, Suen Oliveira destacou que a singularidade desta campanha está no empoderamento da criança e do adolescente, além do envolvimento dos pais e responsáveis nesse processo, já que por meio da ficha de auto imagem, eles poderão identificar juntos os sinais e sintomas da hanseníase. “Após confirmação diagnóstica os casos são encaminhados para tratamento na unidade de saúde. Por meio desta experiência prática, crianças e adolescentes poderão se aproximar do conhecimento sobre estas doenças e contribuírem tanto para o auto cuidado, como para disseminação deste conhecimento na comunidade”.

Tratamento

Todo o tratamento para os três agravos é ofertado pelo SUS. “Os suspeitos de hanseníase identificados durante as ações da Campanha são referenciados à rede básica de saúde para a confirmação diagnóstica e tratamento oportuno. A quimioprofilaxia para as geo-helmintíases é realizada na própria escola. Para o tracoma e esquistossomose os alunos detectados com tracoma e esquistossomose são encaminhados para tratamento na unidade de saúde” explicou Suen Oliveira.

Sobre os agravos

A hanseníase é uma doença crônica, transmissível, de notificação compulsória, que tem como agente etiológico o Mycobacterium leprae. A doença acomete principalmente pele e nervos e sua transmissão se dá pelas vias aéreas superiores por meio de contato próximo e prolongado de uma pessoa suscetível (com maior probabilidade de adoecer) com uma pessoa doente sem tratamento.

As geo-helmintíases constituem um grupo de doenças parasitárias intestinais que acometem o homem, o impacto negativo da infecção por geo-helmintos produz, além da redução no desenvolvimento físico e mental, uma diversidade de quadros mórbidos que incluem diarréia, dores abdominais, inapetência, perda de peso, até complicações como a formação de granulomas e processos obstrutivos que exigem intervenção cirúrgica, podendo inclusive levar o paciente ao óbito.

A ocorrência do tracoma está diretamente relacionada às baixas condições socioeconômicas e de saneamento, e de higiene e acesso à água, que favorecem a disseminação da bactéria Chlamydiatrachomatis, agente etiológico da doença. Embora a carga do tracoma tenha sido reduzida no território nacional, a doença continua a ocorrer, acometendo especialmente as populações mais carentes e desassistidas do país.

Os últimos estudos realizados no âmbito nacional revelaram que a doença está presente em grande parte do país, nas áreas com piores indicadores de qualidade de vida.

Deixe seu comentário:

WRGPS OABFarcomSucesso FMBAUVereador Professor Júnior GeoGPSWELLBlog do Felipe de Sá