Campanha PRESENÇA DIGITAL -AGOSTO
Facebook
31/01/2019 - 23h16m

MORAVA NO CANADÁ

Servidor do gabinete do deputado Amélio Cayres recebeu por mais de seis anos sem trabalhar

Redação

Funcionário ligado ao gabinete do deputado Amélio Cayres (SD) recebeu salário mesmo morando no exterior

A Polícia Civil esteve cumprindo mandados de intimação, busca e apreensão na manhã desta quinta-feira (31) pela segunda fase da operação Espectro II, que investiga supostos funcionários fantasmas na Assembleia Legislativa do Tocantins. Entre os servidores investigados, está um caso apurado na fase anterior da operação, de um homem que morava no Canadá e estava vinculado ao gabinete do deputado Amélio Cayres (SD), recebendo normalmente como assessor parlamentar.

"Esse servidor estava vinculado diretamente ao gabinete do deputado Amélio Cayres. E não foi um ou dois, foram mais de seis anos nesse modus operandi de estar no exterior recebendo pela Assembleia sem qualquer tipo de licença e vinculado a gabinete de deputado", explicou o delegado Guilherme Rocha.

Esse funcionário teria morado no Canadá por dez anos, sempre recebendo o salário de R$ 20 mil. Ele ficou oito anos ligado ao gabinete do deputado Amélio Cayres (SD) e recebeu mais de R$ 500 mil sem aparecer na Assembleia.

Ainda conforme o delegado Guilherme Rocha, os deputados não são investigados neste momento. "Conforme a coleta de provas e o aprofundamento das investigações verificaremos se terceiros se beneficiaram com esse esquema. Certamente há possibilidade, conforme a coleta de provas, de chegar a pessoas próximas ou até aos deputados."

Deixe seu comentário:

4 Comentário(s)

  • Rubson | 02/02/2019 | 21:47 Incrível quando os seu eleitores passam por dificuldade principalmente na cidade onde qual deputado mora
  • DENISE BEZERRA DE OLIVEIRA | 01/02/2019 | 11:39 É O TOCANTINS QUE EU NÃO QUERO....
  • Clecio Orestes dos Santos Pereira | 01/02/2019 | 08:41 Tem que chegar ao deputado também pois se esse cara está ganhando esse absurdo de dinheiro sem trabalhar é com sentimento e aprovação dele. Então tem que ser responsabilizado, punido e perder o mandato.
  • Silvano Santos barbosa | 01/02/2019 | 07:50 Enquanto essa pessoa que nem trabalha ganha 20 mil. Eu e toda a classe de professores de Axixá tivemos nosso salário reduzido , onde fica o respeito é a valorização dos profissionais que realmente trabalha. Isso é Brasil

senacGPSWRFarcom