Campanha PRESENÇA DIGITAL -AGOSTO
Facebook
08/05/2019 - 20h14m

OPERAÇÃO CATARSE

Polícia Civil faz buscas em endereços de irmãs da deputada Valderez por suspeitas de serem funcionárias fantasmas

Polícia Civil faz buscas em endereços de irmãs da estadual Valderez Castelo Branco (PP), por suspeitas de serem funcionárias fantasmas (Foto: Divulgação)

 

A Polícia Civil de Araguaína fez buscas em endereços de duas mulheres suspeitas de serem funcionárias fantasmas da Secretaria-Geral de Governo do Tocantins. Maria do Perpétuo Socorro Castelo Branco e Vânia Maria Castelo Branco são irmãs da deputada estadual Valderez Castelo Branco (PP), que é a atual líder do governo na Assembleia Legislativa.

Os delegados José de Anchieta e Bruno Boaventura decidiram indiciar as duas porque, segundo a investigação, ficou comprovado que elas não exerciam qualquer função ou sequer iam ao Palácio Araguaia, onde a secretaria funcionava, mesmo estando lotadas no local desde 2016.

Maria do Perpétuo Socorro chegou a ficar lotada como secretária particular do governador com salário de R$ 4,5 mil. Já Vânia Maria era 'assessora técnica especial' e ganhava R$ 2,1 mil. Os dados foram obtidos pelo G1 através do Portal da Transparência e são relativos ao mês de novembro de 2018. Atualmente, nenhuma delas consta nas folhas de pagamento do Poder Executivo.

Ainda não foi divulgado pela Secretaria de Segurança Pública se algo foi apreendido nos imóveis das duas. A medida é um desdobramento da Operação Catarse, que investiga funcionários fantasmas nos poderes Executivo e Legislativo do Tocantins.

A deputada Valderez Castelo Branco afirmou que soube dessa questão pela imprensa. Sobre a citação das irmãs dela, disse que tem conhecimento de que eram servidoras e que seus trabalhos foram desenvolvidos.

O Governo do Tocantins disse que as investigações da Operação Catarse dizem respeito a contratações que ocorreram na gestão anterior. E que os servidores em questão só puderam ser desligados após o fim da vedação imposta por decisão da Justiça Eleitoral que proibiu a exoneração de servidores públicos, em virtude das duas eleições realizadas no Tocantins em 2018. (G1)

 

 

Deixe seu comentário:


senacGPSWRFarcom