Fenepalmas
BRK AMBIENTAL/Campanha: Site Tocantins 2022 -Maio/Junho
Facebook
19/04/2022 - 10h49m

ITERUM

PF faz operação em Miracema para investigar fraudes em licitações, pagamento de propina e corrupção

Redação

Mandados da “Operação Iterum” foram cumpridos também em Salvador (BA) e Juazeiro (PE).

PF apreendeu armas de fogo na casa de um dos investigados (Foto: Divulgação/PF)

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (19/04) a “Operação Iterum” que tem como objetivo angariar novos elementos de prova envolvendo fraude na contratação de prestadora de serviços, com pagamentos indevidos à servidores públicos do município de Miracema do Tocantins, ocorridos entre os anos de 2013 e 2015, nas pastas de administração, saúde, educação, assistência social e meio ambiente do município.

Aproximadamente 28 (vinte e oito) Policiais Federais dão cumprimento a 7 (sete) mandados de busca e apreensão e mandados de sequestro de bens expedidos pela 4ª Vara Federal de Palmas, nos municípios de Miracema do Tocantins, Palmas, Salvador/BA e Juazeiro/PE.

Durante as investigações a Polícia Federal apurou que servidores públicos supostamente fraudaram processo de contratação com dispensa indevida de licitação para favorecer uma prestadora de serviços mediante o recebimento de vantagem indevida (propina).

Caso seja constatada a prática do crime, os envolvidos responderão pelos crimes de corrupção ativa, corrupção passiva e fraude em licitação.

O nome da operação significa “Novamente” ou “De Novo” em latim, visto que o prestador de serviços envolvido praticou atos idênticos em outros municípios do país.

Destaca-se que em razão da Pandemia causada pela COVID-19, foi adotada logística especial de prevenção ao contágio, com distribuição de EPI’s a todos os envolvidos, a fim de preservar a saúde dos policiais, testemunhas e investigados.

Operação da PF em Miracema do Tocantins (Foto: Divulgação/PF)

Armas apreendidas (Foto: Divulgação/PF)

Relógios apreendidos durante a operação (Foto: Divulgação/PF)

Justiça determinou sequestro de bens dos investigados (Foto: Divulgação/PF)



Deixe seu comentário:

ClésioClínica AndréAvecomA Fonte das LetrasGPS