Campanha PRESENÇA DIGITAL -AGOSTO
Facebook
31/05/2019 - 10h11m

INVESTIGAÇÃO

Gerente de fazenda que mal assinava o nome não sabia que era assessor parlamentar de ex-deputado da região do Bico

Com informações do AF Notícias

Ex-deputado estadual Manoel Queiroz (Foto: Divulgação)

O Ministério Público do Tocantins abriu mais uma investigação sobre servidores fantasmas na Assembleia Legislativa, porém, dessa vez, chama a atenção o fato de que a pessoa supostamente beneficiada com o cargo público não sabia sequer assinar o próprio nome e nem que tinha sido nomeada. O suposto ex-servidor é José Alderico da Silva, nomeado como assessor parlamentar do ex-deputado estadual Manoel Queiroz, da região do Bico do Papagaio.

O caso chegou à 9ª Promotoria de Justiça da Capital no dia 18 de abril e um inquérito civil foi instaurado nesta terça-feira (28).

Conforme a portaria do inquérito, José Alderico afirmou em ação de reclamação trabalhista que foi gerente de uma fazenda do ex-deputado em Ponte Alta do Tocantins durante os anos de 2011 a 2017.

Na reclamação trabalhista, ele afirmou em depoimento que "nunca recebeu nenhum valor como assessor parlamentar e nem sabia que trabalhava como tal; e não assinou nenhum termo de posse ou documento neste sentido".

Já o ex-parlamentar Manoel Queiroz confirmou que levou José Alderico e sua esposa para a fazenda no ano de 2011, mas "para assessorá-lo como assessores parlamentares". O casal recebia inicialmente R$ 2.600,00, sendo que ao término do mandado o salário chegou a R$ 3.800,00.

O ex-deputado disse ainda não saber se o seu assessor sabia ler ou escrever e que nunca o viu lendo ou escrevendo.

Conforme o MP, a eventual conduta constitui prática corriqueira no Estado, sendo totalmente reprovável, tendo em vista que o agente enriquece ilicitamente à custa do erário e do suor do contribuinte. 

Pedido de informações

Como o objetivo de elucidar o caso, o MP pediu ao presidente da Assembleia Legislativa, o deputado Toinho Andrade, os seguintes documentos no prazo de 10 dias úteis:

  • Folha de frequência, ficha funcional e ficha financeira de José Alderico da Silva referente ao ano de 2011 a 2017;
  • Nome do chefe imediato de José, indicando, se possível, a relação de outros servidores que eventualmente trabalharam com ele;
  • E também quais eram as atividades desenvolvidas por ele durante o suposto período em que esteve trabalhando na Assembleia Legislativa.

Deixe seu comentário:

1 Comentário(s)

  • Ricardo | 31/05/2019 | 14:10 De qual partido ele é? Não informaram. É uma prática antiga e convencional para os políticos de toda a esfera. Tem na direita, e tá cheio disso na esquerda e no centrão. Pra cada 1 bom, tem 10 pilantras... Reforma já...

senacGPSWRFarcom