ENERGISA   Campanha: SEGURANÇA ABRADEE
Facebook
14/01/2019 - 11h44m

ELEIÇÃO DA MESA DIRETORA DA AL

Com apoio de Carlesse, Toinho Andrade é quase presidente: mas MDB não quer Cayres na vice

Governador Mauro Carlesse e o deputado estadual Toinho Andrade

Nem tudo está pacificado na disputa pela presidência da Assembleia Legislativa na eleição que acontece no próximo dia 1º de fevereiro, mas se haviam dúvidas do interesse do governador – ou compromisso – com a eleição do deputado Toinho Andrade, não existem mais.

Pelo menos duas fontes diferentes confirmaram que Mauro Carlesse deixou claro, com o pedido de voto e apoio, que Toinho teria sua preferência por ter “articulado melhor” sua eleição.

O resultado é que, com o movimento do governo, materializado pela condução da conversa em nome de Toinho, pelo vice-governador e ex-deputado Wanderlei Barbosa, a chapa que disputará a Mesa Diretora está formada e acordos já foram feitos em torno da distribuição de comissões importantes.

No final da semana passada apenas três deputados não haviam sido procurados para esta conversa: Luana Ribeiro, Júnior Geo e um terceiro.

Alguns, como a deputada eleita Cláudia Lelis, foram procurados pessoalmente por Toinho e Wanderlei.

Outros, como o deputado Nilton Franco, ouviram o pedido de voto do próprio governador.

O apoio do SD, que tinha em Vilmar do Detran um pré-candidato, terminou de ser selado após uma conversa do próprio governador com o senador eleito Eduardo Gomes.

E a consequência é Amélio Cayres na indicação da vice, assumida pelo próprio na semana passada. Pertencendo a outro grupo, é de Ricardo Ayres a vaga de primeiro secretário. Todas as outras já estariam definidas, conforme um dos eleitos.

A novidade nos últimos dias é que alguns deputados do MDB começaram a se insurgir com a vice de Cayres. O ruído permitiu que a deputada Luana Ribeiro, candidatíssima, voltasse a articular esse grupo em apoio ao seu nome.

Com a tendência a fechar um “acordão” em torno de uma chapa só, para que ninguém fique de fora das composições de cargos e espaços, os deputados ainda não estão 100% acomodados. E é isso que permite dizer hoje que, embora seja o favorito, Toinho ainda não tem a certeza da presidência.

A cisão do grupo dos dez

O governo agiu rápido em torno de Toinho logo após a reunião do grupo dos dez na casa de Cláudia Lelis. Excluído da reunião, o inicialmente contra a chapa governista, Eduardo Siqueira, fez movimento reverso. 

Dos deputados do MDB, dois abriram primeiro de uma coalisão em torno de uma chapa mais “independente”: Elenil da Penha e Jorge Frederico.

Jair Farias, do Bico do Papagaio, foi o próximo do partido a fechar apoio a Toinho.

Rapidamente o grupo se desfez. Hoje restam sustentando candidatura, ou pelo menos falando nisso, os deputados Eduardo do Dertins e a própria presidente, Luana Ribeiro.

Um dos problemas que ainda causa ruído é uma insatisfação grande na base governista com as exonerações.

O governo já liberou, entre as recontratações, pedidos dos deputados, mas poucos perto do que havia.

A ordem agora é manter pelo menos 50%, dos 15.700 exonerados, fora da máquina pública.

Nada que não tenha sido antecipado pelo portal ainda na campanha eleitoral: não é possível manter a folha nos patamares em que se encontram. (T1 Notícias)

Deixe seu comentário:

senacGPSWRFarcomShop do BicoSucesso FMBAUVereador Professor Júnior GeoWELLBlog do Felipe de Sá