kitnets
Facebook
04/03/2015 - 11h22m

Suspeito de incendiar ônibus na capital denuncia grupo e leva R$ 15 mil

G1

Cinco homens entre 18 e 28 anos foram detidos na madrugada desta quarta-feira (4), em Palmas, suspeitos de incendiarem dois ônibus na capital, na última sexta-feira (27) e sábado (28). A identidade dos suspeitos não foi revelada pela polícia. A prisão só foi possível depois que um deles denunciou os outros, a fim de levar a recompensa de R$ 15 mil oferecida pelo prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PP). Ele negou participação nos crimes e foi liberado após colaborar com as investigações. Os outros quatro suspeitos continuam presos.
Desde a última sexta-feira, cinco ônibus foram incendiados em ataques realizados no Tocantins. Além dos dois veículos destruídos em Palmas, três foram queimados em Araguaína, no norte do estado.
Um dos suspeitos confirmou que a ordem para queimar os ônibus partiu de presos da Casa de Prisão Provisória de Palmas (CPPP). Segundo o prefeito, os criminosos ofereciam
R$ 8 mil para cada veículo destruído pelo grupo. A denúncia foi recebida na noite de terça-feira (4), pela prefeitura e depois encaminhada para a Guarda Metropolitana da capital (GMP), sendo então repassada para as polícias Civil e Militar, que investigaram e realizaram as prisões.
A delegada da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic), Liliane Albuquerque, disse que o suspeito confessou que os ataques estão relacionados com a greve da Polícia Civil. "Ele narrou que foi convidado por dois rapazes para participar do incêndio aos ônibus em Palmas e que seria uma represália pela falta de visitas por causa da greve da polícia. Essa ordem teria partido de uma organização criminosa de dentro da CPPP, inicialmente em Palmas, mas depois em Araguaína e Gurupi", explica.
Segundo o subtenente da Rotam, Gleidson Ribeiro, o grupo estava pronto para fazer novos ataques. "Eles estavam prontos para queimar vários ônibus em vários lugares do Tocantins. Todos eles receberam ordens de dentro dos presídios", destaca.
Por uma rede social, Amastha afirmou que entregará a recompensa de R$ 15 mil pessoalmente. Os quatro suspeitos devem ser encaminhados para a CPPP, após decisão da Justiça.
Entenda o caso
Na última sexta-feira (27), por volta da meia-noite, perto da praia das Arnos, região norte de Palmas, quatro homens armados invadiram um ônibus, pediram que o motorista e os passageiros saíssem e atearam fogo no veículo que ficou totalmente destruído.
No dia seguinte, outros dois ônibus foram alvos de ataques, desta vez na região sul da capital. No setor Jardim Aureny IV, por volta das 23h30, um dos veículos foi alvejado a tiros, mas não parou, seguindo o trajeto. Mais tarde, na TO-050, novamente quatro homens invadiram o coletivo em uma parada, mandaram os ocupantes sair e colocaram fogo.
Já na noite desta segunda-feira (2), três ônibus foram destruídos. Dois deles foram incendiados na garagem da Viação Lontra, responsável pelo transporte coletivo em Araguaína, no norte do estado. Em frente ao estádio Mirandão, um ônibus de transporte escolar que estava estacionado também foi queimado.
De acordo com a SSP, uma das possibilidades é que os ataques tenham sido ordenados por facções criminosas, descontentes com o cancelamento das visitas nos presídios devido a greve da Polícia Civil.

Deixe seu comentário:

jrarmazém paraíbarocha alGPSvalériaBAUSucesso FMDudu a Fora